Caminhão para abastecer SUS com 'kit intubação' deixa laboratório em Itapira rumo a Guarulhos


Entrega de medicamentos foi acertada após Ministério da Saúde fazer requisição administrativa pelos medicamentos para intubação de pacientes em UTIs Covid. Kit intubação é necessário para pacientes com Covid-19 em estado grave
Reprodução/EPTV
Um caminhão carregado com medicamentos usados para intubação de pacientes em UTIs Covid deixou o laboratório em Itapira (SP) rumo a Guarulhos (SP), na madrugada desta quarta-feira (24), de onde os remédios serão distribuídos para unidades do Sistema Único de Saúde (SUS) que enfrentam a escassez do insumo.
A informação foi confirmada nesta manhã pela indústria farmacêutica Cristália. A entrega de medicamentos que formam o chamado “kit intubação” havia sido acertada em reunião entre representantes do laboratório e do Ministério da Saúde na última segunda (22) e seriam suficientes para “dar fôlego de uma semana ao Brasil”.
O número de produtos enviados neste carregamento não foi informado. Entretanto, o volume acertado entre as partes é inferior à requisição administrativa feita pelo governo federal, de 665.507 medicamentos para intubação para um período de 15 dias.
“Nós vamos disponibilizar a quantidade de produtos solicitado pelo Ministério da Saúde para atender emergencialmente uma semana o País. Vamos dar o fôlego de uma semana para o País, enquanto se estuda e se trabalha para aumentar essa dimensão de atendimento”, disse, na segunda, Ogari de Castro Pacheco, cofundador da Cristália.
Com a negociação, o laboratório garantiu a entrega dos medicamentos para o suporte dos hospitais públicos sem prejuízo dos compromissos já contratados com hospitais particulares.
Notas, carregamento e envio
Na reunião da última segunda, o representante da Cristália havia informado que o laboratório cuidaria do envio dos medicamentos para intubação e contaria com apoio do Ministério da Saúde para atender regiões mais longínquas.
A entrega, prevista para ter início nesta terça (23), só começou a se concretizar no fim da noite. Segundo a assessoria de comunicação da Cristália, o carregamento teve início por volta da meia-noite. Equipe trabalhavam na parte burocrática, com os registros de guias de entrada e saída e emissão de nota fiscal.
Área do Laboratório Cristália
Reprodução / EPTV
Requisição administrativa
A medida do ministério é a mesma que Campinas (SP) usou, por exemplo, para assumir a estrutura de um hospital particular para colocar em operação leitos SUS durante a pandemia. Veja abaixo detalhes.
O Laboratório Cristália, que tem unidades em outras cidades das regiões de Campinas (SP) e Piracicaba (SP), diz que desde o início da pandemia quadruplicou a produção para atender cerca de 4 mil unidades públicas e privadas no Brasil.
“O Cristália reitera seu compromisso de empreender todos os esforços possíveis na produção e fornecimento não apenas dos medicamentos utilizados no tratamento da covid-19, mas também de drogas essenciais a pacientes de outras enfermidades, como câncer e HIV/Aids”, diz nota ao mencionar que ainda mantém compromisso com clientes, comunidade médica e com o país.
O Cristália informou que os medicamentos usados em UTIs para intubação são produzidos em um complexo de Itapira, mas não revela a capacidade de produção. Em 2019, o presidente Jair Bolsonaro esteve em uma das plantas da cidade aberta para gerar insumos de medicamentos contra o câncer.
No site oficial, o laboratório diz que produz 350 tipos de medicamentos e fornece produtos para 95% dos hospitais brasileiros. Entre os outros setores de atuação estão saúde mental e dermatologia.
O que é a requisição administrativa?
Secretário-geral da OAB Campinas explica como funciona uma requisição administrativa
VÍDEOS: tudo sobre Campinas e região
Initial plugin text
Veja mais notícias da região no G1 Campinas