Campinas aplica 1ª dose em 75% dos motoristas de ônibus e espera novo lote da vacina contra Covid-19 para ampliar público-alvo


Após ‘Dia D’, 338 condutores do transporte público ainda não agendaram imunização. Cadastro será reaberto até quinta-feira (27). Motorista tem a temperatura aferida antes de entrar em local de vacinação em Campinas
Reprodução/EPTV
O “Dia D” de vacinação contra Covid-19 aplicou a primeira dose em 1.020 motoristas do transporte público de Campinas (SP), o que representa 75,1% do total de condutores que atuam nas concessionárias. Os 338 remanescentes poderão programar a imunização quando a prefeitura reabrir o agendamento, o que está previsto para ocorrer até quinta-feira (27).
Além dos motoristas que não receberam as doses, a prefeitura também busca imunizar todo o público-alvo original dos trabalhadores em transporte, que reúne mais 256 permissionários do sistema alternativo e 395 agentes de mobilidade urbana, conhecidos “amarelinhos”.
Isso porque, apesar de acrescentar estes profissionais no grupo, Campinas (SP) não recebeu doses suficientes para todos e teve que fazer um recorte — com a inclusão deles, o total sobe para 2.009. Para expandir, a prefeitura aguarda a chega de um novo lote de imunizantes.
O “Dia D”, realizado no sábado (22), vacinou com 23.612 moradores. Além dos motoristas, foram contempladas pessoas de mais de 45 anos com problemas de saúde (comorbidades) que agendaram a imunização.
Após a ampla vacinação, o Departamento de Vigilância em Saúde (Devisa) optou por suspender o agendamento para reorganizar as doses que sobraram. Até quinta-feira, o órgão municipal deve definir quantas vagas serão reabertas.
O G1 tentou contato com o Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros da Região Metropolitana da cidade (Setcamp) desde domingo (23) e, nesta terça, questionou se as concessionárias farão alguma ação para que o restante dos motoristas faça o agendamento, mas não obteve resposta.
75,1% dos motoristas que trabalham em concessionárias do transporte público receberam primeira dose
Divulgação/Emdec
Alerta de nova alta de casos
Nesta terça-feira (25), a Prefeitura de Campinas fez um alerta à população sobre a situação da pandemia. Isso porque houve aumento de casos e internações por Covid-19 e, se esses indicadores continuaram em ascensão na semana, medidas restritivas serão adotadas.
Prefeito e secretário de Saúde usaram por diversas vezes a palavra “apelo” para pedir o fim de aglomerações e festas, mesmo em ambiente familiares.
Além disso, há o temor que a chegada da variante indiana, já registrada em algumas localidades do Brasil, provoque uma explosão de infectados como ocorreu com a P.1, de Manaus. Nesse caso, o Departamento de Vigilância em Saúde (Devisa) emitiu alerta aos serviços de saúde, públicos e privados, que notifiquem imediatamente qualquer caso suspeito para que o paciente seja isolado e monitorado.
VÍDEOS: Tudo sobre Campinas e Região
Veja mais notícias da região no G1 Campinas