Campinas publica decreto que autoriza drive-thru no comércio e retirada de alimentos em bares e restaurantes


Decisão passa a valer na quarta-feira (7). Serviços estavam suspensos desde 26 de março para conter o avanço do coronavírus na cidade. Secretário da Justiça de Campinas explica retomada do drive-thru em comércios
A Prefeitura de Campinas (SP), publicou, na manhã desta quarta-feira (7), o decreto que autoriza a retomada da venda por drive-thru em todo o comércio da cidade, além do serviço de retirada de alimentos na parte externa de bares e restaurantes. A liberação passa a valer imediatamente.
No sistema drive-thru, os clientes buscam os produtos em frente ou no estacionamento do comércio, mas sem que saiam dos carros. Já na retirada, é permitida a saída do veículo, desde que a pessoa não entre no restaurante ou bar.
A liberação foi anunciada na coletiva de imprensa desta terça-feira (6), quando também foi divulgado um novo recorde de mortes por Covid-19 registradas em 24 horas. O balanço da prefeitura aponta 69 novos óbitos, com total de 2.526 desde o início da pandemia.
A venda por drive-thru no comércio geral estava suspensa desde 26 de março. Segundo o prefeito Dário Saadi (Republicanos), a liberação desse modelo foi possível porque os “números” da pandemia permitiram. A cidade registrou queda no número de pacientes que esperam por leitos de UTI e enfermaria Covid-19.
Veja as regras da fase emergencial e do toque de recolher
Serviços de alimentação (padarias, supermercados, lojas de conveniência): devem encerrar as atividades presenciais às 20h – acesso de apenas uma pessoa por família.
Serviços de drive-thru para todo comércio: encerrar às 20h.
Delivery só pode ser feito dentro do horário de funcionamento estabelecido em alvará.
Retirada na porta dos estabelecimentos está restrito aos comércios de alimentos.
Lojas de materiais de construção não podem atender presencialmente.
Celebrações religiosas coletivas proibidas, mas recepção pode ser individual.
Multa de 800 UFICs (R$ 3,5 mil) para responsáveis por festas clandestinas ou reuniões familiares com mais de 10 pessoas.
Lacração imediata e multa de 800 UFICs (R$ 3,5 mil) para estabelecimentos flagrados funcionando em desacordo com as regras do município.
Condução do responsável pela organização da festa clandestina, da reunião familiar ou estabelecimento flagrado em desacordo até a delegacia de Polícia Civil, para registro de termo circunstanciado de ocorrência com base no artigo 268 do Código Penal (descumprimento de medida sanitária).
Abordagem de pessoas circulando após as 20h, educativa, com orientação para retorno ao domicílio.
Bloqueios em pontos estratégicos por ação integrada da Guarda Municipal e polícias Militar e Civil.
Uso do sistema de câmeras e leitores de placas para identificar aglomerações de veículos.
Proibição do uso de praias e parques.
Proibição de atividades esportivas.
Proibição de qualquer aglomeração.
Obrigação do uso de máscara em todos os ambientes, internos e externos.
Teletrabalho é obrigatório para atividades administrativas não essenciais.
Peter Panutto, secretário de Justiça de Campinas
Manoel de Brito/Prefeitura de Campinas
VÍDEOS: Tudo sobre Campinas e região
Veja mais notícias da região no G1 Campinas