Como fazer boas fotos de comida


Especialistas em fotografia gastronômica dão dicas para que os registros dos pratos preparados despertem a vontade de comer. Saboroso nhoque registrado pela fotógrafa Carol Mezzalira: ambientar a foto com elementos da receita é uma boa aposta, mas é preciso ter muito cuidado com a organização do ambiente
Crédito: Divulgação Senhorita Gourmet
Desde que as redes sociais passaram a fazer parte da vida das pessoas, as comidas ganharam um espaço especial no universo virtual. E isso não acontece apenas com quem tem negócios da área de gastronomia e precisa divulgar o seu menu para vender. Ao preparar uma comidinha diferente em casa ou mesmo ao pedir algo em um restaurante, fotografar passou a ser o primeiro ato. Coitado de quem coloca o primeiro pedaço na boca sem antes fazer um registro para postar com o intuito de conseguir muitos likes!
Agora mesmo no concurso Tá Combinado, vimos como o registro da apresentação do prato faz toda a diferença. Todas as finalistas fizeram ótimas fotos! Para a final do concurso, no dia 29 de maio, a apresentação do prato será um dos critérios de avaliação dos jurados e a captura de imagem dos pratos também deve deixar salivando quem estiver em casa.
Fotografar comida é uma atividade muito prazerosa. Como diz a fotógrafa especializada Carol Mezzalira, de Paulínia, “se existe um clichê mais apropriado para fotografia gastronômica do que o “comer com os olhos”, eu desconheço. A foto bonita de comida chama atenção e faz com que as pessoas que estejam olhando, sintam vontade de comer!”. É exatamente isso, o registro deve despertar nos outros a vontade de comer o que está sendo mostrado.
No concurso Tá Combinado, uma iniciativa da EPTV, em parceria com a Rede de Supermercados Savegnago e realização da OA Eventos, a fotografia é um elemento essencial. Para se inscrever, juntamente com a receita e os dados dos participantes, é necessário enviar uma foto do prato sugerido para ser o acompanhamento do prato principal de cada rodada.
A principal orientação de Juliano Albano, chef de cozinha especialista em food styling, é que o registro deve mostrar bem as camadas que compõem o prato ou então os insumos utilizados no preparo. “Os cuidados para deixar os detalhes do preparo bem visíveis devem começar já na hora da montagem do prato”, alerta.
Veja as dicas dos dois profissionais com grande experiência na ambientação, no preparo das comidas e nos cliques.
Peixe com legumes produzido pelo chef especialista em food styling Juliano Albano: a fotografia de comida deve contar uma história e, se possível, alcançar a memória afetiva das pessoas
Crédito: Divulgação Juliano Albano
Faça seus registros de comida da maneira certa:
Aproveite a luz natural
A luz do dia é essencial para ter fotos de comidas com maior nitidez, mostrando bem os alimentos de forma natural. “Coloque uma mesa ao lado de uma janela na sua casa para fotografar”, sugere Carol.
Utilize alimentos frescos
O visual dos alimentos que compõem a foto deve ser o melhor possível. No caso de frutas, legumes, verduras e ervas, que murcham ou oxidam com facilidade, a orientação de Carol é que sejam incorporados à cena bem próximo ao momento de fazer os cliques. Se tiver algo murcho, descarte.
Prefira os pratos em temperatura ambiente ou frios
Pensa na situação: você acaba de tirar a lasanha do forno e vai cortar um pedaço para colocar no prato e fotografar, mas em segundos o pedaço desmonta por causa do molho e do queijo quentes. Para evitar problemas como esse, a dica do chef Juliano é: prefira os alimentos em temperatura ambiente ou frios, sobretudo se for cortar.
Cuidado com a composição de alimentos
Quando há composição de preparos na montagem de um prato, também é preciso ter cuidado com a temperatura. “Ao colocar um medalhão do lado de um risoto, por exemplo, a carne vai começar a perder líquido porque está em processo de desidratação por conta da cocção, então vai molhar o prato”, alerta Juliano. Então, vale a dica de deixar esfriar um pouco antes da montagem do prato para que os itens não interfeririam entre si.
Aposte em truques para devolver o aspecto de frescor à comida
Ao deixar a comida esfriar, também ocorre de ela perder a boa aparência. “Pode borrifar um pouco de água ou em carnes passar um pouquinho de molho shoyu com o pincel ou no peixe um óleo ou azeite para dar um brilho de leve”, indica o chef Juliano. No entanto, é preciso ter cuidado para usar apenas o que não interfira na cor natural do alimento.
Construa uma narrativa
Coloque ingredientes utilizados para preparar a comida ao lado do prato para compor o registro. Por exemplo, folhas de salsinha e limão na mesa. Vale, ainda, cuidar da ambientação utilizando cerâmicas, talheres ou um guardanapo bonito para contextualizar a cena, ou seja, algo sempre ligado ao tema principal do registro. “Esses cenários acabam contando uma história, o que, na minha opinião, é umas das partes mais importantes da fotografia gastronômica”, ressalta Carol. Mas, atenção! Esses itens não podem roubar a cena. O foco principal precisa ser a comida.
Bolo de chocolate clicado por Carol Mezzalira: ao olhar o registro, bate uma vontade imensa de provar a guloseima, ou seja, o papel principal da foto de gastronomia foi cumprido
Crédito: Divulgação Senhorita Gourmet
Atenção ao ângulo e ao foco
Teste diferentes ângulos e prefira aquele que mostre bem a comida, sobretudo quando houver camadas. Em relação ao foco, quanto mais fechado no prato ou na cena, maior a chance de acertar. “Toda vez que você abre muito o foco, aumenta o nível de detalhamento e abre possibilidades de mostrar o que não é tão interessante na história, como aquele fogão lá no fundo que pode ainda estar sujo”, alerta Juliano.
Quando as embalagens dos ingredientes precisam aparecer
No caso do concurso Tá Combinado, uma das regras da fotografia é que nela estejam presentes as embalagens dos ingredientes das marcas parceiras. “Se for a lata de um ingrediente, por exemplo, pode colocar uma colher nela, dando a entender que utilizou o que continha ali”, sugere Juliano. Em relação ao ângulo, ele indica o de 45º. “É como se você estivesse olhando para o prato e as embalagens na cena de pé, em frente. Assim é possível dar igualdade para todos os elementos da cena”, diz.
Prefira usar o celular
Atualmente, com os aparelhos de celular modernos, vale a pena fazer as fotografias de comida com eles, já que, na maioria das vezes, são inteligentes e oferecem recursos de correção de foco, por exemplo. Algumas regras lembradas pelo chef Juliano são importantes: esteja com a bateria 100% carregada, com a lente da câmera limpa e tenha espaço na memória do celular. “Se tiver um tripé ou puder posicionar o celular diante da comida em um local reto é melhor, para evitar que a foto saia tremida”, diz.
Esqueça o flash
Nessa regra não tem flexibilidade! Para fazer uma boa foto de comida, não use o flash do celular ou da câmera. “Além de criar sombras ou deixar a foto muito clara, o que chamamos de estourar a foto, o flash altera muito as cores dos alimentos”, explica Carol.
Trate a foto se for preciso
Você fez tudo direitinho, mas achou que o resultado final poderia ter dicado melhor. A dica de Carol é utilizar aplicativos de edição. “Eles não fazem milagres, mas podem melhorar e muito a imagem que já está enquadrada corretamente, focada e com uma produção bem legal. Conseguimos deixar a comida com mais cor e mexer na textura, por exemplo”, diz. Segundo ela, um aplicativo bem completo é o Lightroom.
Guardanapo, colher e croutons deram um toque especial no registro da sopa: elementos devem “conversar” com a proposta do prato, mas nunca roubar a cena
Crédito: Divulgação Juliano Albano
Agora é com você! Capriche na receita e na foto e participe do concurso Tá Combinado! Veja como se inscrever.