Covid-19: Campinas amplia restrições para comércios essenciais e define drive-thru só para alimentação


Novas medidas restritivas foram anunciadas em coletiva nesta quarta (24). Dário Saadi, prefeito de Campinas, durante live para apresentar campanha de combate à fome
Reprodução/Facebook
Campinas (SP) anunciou a ampliação de medidas restritivas na quarentena a partir desta sexta-feira (26). Com as novas regras, fica permitido o acesso de apenas uma pessoa por família em serviços essenciais com atendimento presencial, como supermercados e padarias, e a permissão do serviço de drive-thru apenas para alimentação – lojas e outros comércios só poderão atender por delivery. As regras em vigor, do toque de recolher na fase emergencial, seguem em vigor.
Campinas registra mais 14 mortes e totaliza 2.198 vidas perdidas; casos são 78,4 mil
As novas medidas terão validade até o dia 4 de abril e incluem o fechamento de concessionárias; o atendimento de veterinários e pet shops apenas para emergência e emergência; os serviços de manutenção predial apenas para emergência e urgência; e a realização de serviços de assistência técnica apenas para equipamentos médicos/hospitalares e de trabalho.
Como fica:
Padarias, supermercados, atacadistas e comércios em geral que vendam gêneros alimentícios e produtos de limpeza: presencial até as 20h (com limite de uma pessoa por família), podendo atender delivery até o limite de horário regular do estabelecimento.
Comércios e prestadores de serviço: atendimento somente por delivery até o limite de horário regular do estabelecimento
Bares, lanchonetes, padarias e restaurantes localizados no interior de postos de combustíveis e derivados: atendimento exclusivo mediante serviços de delivery e drive-thru. Proibido atendimento do consumidor fora do veículo, no interior do estabelecimento ou do posto de combustíveis. Devem encerrar drive-thru às 20h e delivery fica permitido até o limite de horário regular do estabelecimento.
Concessionárias de veículos: fica proibido o atendimento presencial;
Clínicas veterinárias e pet shops: atendimento apenas para casos de urgência e emergência;
Manutenção predial: atendimento apenas para casos de urgência e emergência;
Serviços de assistência técnica: atendimento apenas para casos emergenciais, para equipamentos médicos/hospitalares, e relacionados às atividades de trabalho.
Além disso, em comum acordo com os outros 19 municípios da Região Metropolitana de Campinas (RMC), serão adotadas barreiras sanitárias em pontos de entrada da cidade para tentar coibir a presença de paulistanos durante a antecipação dos feriados na capital do estado. A medida seguirá o prazo do decreto municipal.
“É uma barreira que será instalada nas principais entradas da cidade. As pessoas que não tenham justificativa, elas serão orientadas a voltar para sua residência de origem. A pessoa vai se justificar. Se for morador de Campinas, será liberado. Se for de fora, será questionado o motivo da viagem”, destacou o prefeito Dário Saadi (Republicanos).
Lockdown
O prefeito voltou a abordar na coletiva a adoção de um lockdown para frear o avanço de casos da Covid-19, mas destacou que a restrição do transporte coletivo é quase impossível de acontecer. Dário defende que a cidade está próximo de ações que se assemelham ao lockdown.
“A gente tem muita dúvida de tomar, porque complica não só o acesso das pessoas que trabalham na área de saúde, como das pessoas que precisam buscar ajuda no serviço da saúde. Estamos quase no limite”, disse.
Hospital Municipal Ouro Verde, em Campinas
Carlos Bassan
Gargalo de leitos
Presidente da Rede Mário Gatti, Sérgio Bisogni destacou que a cidade está próximo do limite do número de leitos que a rede pode abrir. Segundo o profissional, seria possível instalar ainda mais 10 leitos de UTI Covid no Hospital Mário Gatti, mas a cidade tem dificuldades para a contratação de profissionais de saúde.
Além dessas vagas, a prefeitura conta com a abertura do Hospital de Campanha na sede do Patrulheiros, com mais 36 leitos de enfermaria. Nesse caso, há dificuldade para a instalação de tanque de oxigênio no local. A Rede Mário Gatti estuda, se necessário, levar a estrutura para dentro do Hospital Ouro Verde. “Aí atingiríamos nosso limite”, avisa.
Campinas durante fase emergencial do Plano SP
Adriano Rosa / PMC
Veja as regras da fase emergencial e do toque de recolher
Serviços de alimentação (padarias, supermercados, lojas de conveniência): devem encerrar as atividades presenciais às 20h – acesso de apenas uma pessoa por família.
Serviços de drive-thru (apenas para alimentação): encerrar às 20h.
Delivery só pode ser feito dentro do horário de funcionamento estabelecido em alvará.
Proibida a retirada na porta dos estabelecimentos.
Lojas de materiais de construção não podem atender presencialmente.
Celebrações religiosas coletivas proibidas, mas recepção pode ser individual.
Multa de 800 UFICs (R$ 3,5 mil) para responsáveis por festas clandestinas ou reuniões familiares com mais de 10 pessoas.
Lacração imediata e multa de 800 UFICs (R$ 3,5 mil) para estabelecimentos flagrados funcionando em desacordo com as regras do município.
Condução do responsável pela organização da festa clandestina, da reunião familiar ou estabelecimento flagrado em desacordo até a delegacia de Polícia Civil, para registro de termo circunstanciado de ocorrência com base no artigo 268 do Código Penal (descumprimento de medida sanitária).
Abordagem de pessoas circulando após as 20h, educativa, com orientação para retorno ao domicílio.
Bloqueios em pontos estratégicos por ação integrada da Guarda Municipal e polícias Militar e Civil.
Uso do sistema de câmeras e leitores de placas para identificar aglomerações de veículos.
Proibição do uso de praias e parques.
Proibição de atividades esportivas.
Proibição de qualquer aglomeração.
Obrigação do uso de máscara em todos os ambientes, internos e externos.
Teletrabalho é obrigatório para atividades administrativas não essenciais.
VÍDEOS: veja o que é destaque na região de Campinas
Veja mais notícias da região no G1 Campinas