Covid-19: Campinas diz que meta de vacinar adultos até fim de outubro depende de maior velocidade no envio de doses


Diretora do Devisa afirma que estimativa é excelente, mas que, no ritmo atual de entrega de imunizantes, promessa do governo estadual não será cumprida. Estado diz que definiu prazo com base em projeção do Ministério da Saúde. Diretora do Devisa de Campinas, Andrea Von Zuben
Manoel de Brito
No ritmo atual de entrega de vacinas contra Covid-19 para Campinas (SP), a meta do governo estadual de aplicar a primeira dose em toda a população adulta até 31 de outubro não pode ser alcançada, segundo a diretora do Departamento de Vigilância em Saúde (Devisa), Andrea Von Zuben.
A promessa de aplicação de primeira dose em todos os adultos do estado de São Paulo até o fim de outubro foi feita pelo governador João Doria (PSDB) em coletiva online nesta quarta-feira (2). As segundas doses ficariam para novembro, no caso dos vacinados com a CoronaVac, e janeiro, para quem receber o imunizante da Astrazeneca/Oxford.
Von Zuben considera “excelente” a previsão do governo estadual, mas condiciona o cumprimento em Campinas ao ritmo de entrega de vacinas. “A gente achou ótimo, ficamos bem felizes. Se eles mandarem as doses a gente aplica. Toda nossa expectativa é de aumentar a velocidade de aplicação. Se acontecer mesmo nesse prazo vai ser excelente”.
“Com o que está sendo enviado hoje não [dá para vacinar até outubro]. Teria que aumentar muito mais o envio, mas a gente está entendendo que a partir do momento que o governador faz essa promessa ele deve estar com alguma coisa de maior produção, mas com o que está sendo enviado hoje não, de jeito nenhum”, pondera.
Calendário de vacinação contra a Covid em São Paulo.
Divulgação/Governo de SP
Ao anunciar o cronograma, a coordenadora do Programa Estadual de Imunização, Regiane de Paula, disse que projeção foi definida com base nos dados de repasse de doses do Ministério da Saúde.
“Nós trabalhamos com as projeções e perspectiva de vacinação levando em consideração a projeção de entrega disponíveis pelo Ministério [da Saúde] no site”, disse.
Questionada pelo G1 sobre o aumento no ritmo de entrega das doses, a Secretaria Estadual de Saúde reafirmou o que a coordenadora do programa disse durante a coletiva.
A diretora do Devisa de Campinas disse que a cidade possui capacidade de aplicação se o ritmo for intensificado. “A gente é totalmente dependente do que vem de dose. A gente faz esquema de agenda, se chegar mais dose, a gente faz Dia D. (…) Vindo a gente aplica, vamos ver se vem mesmo”.
Cronograma
Sobre o cronograma de vacinação, Von Zuben defende que, após a vacinação de pessoas com doenças preexistentes e professores, o ideal é que a imunização avance de acordo com a idade. Para ela, não é correto definir prioridade a partir de classes profissionais.
“Nós estávamos achando bastante equivocado escolher classe profissional porque é muito difícil você medir risco. Do ponto de vista epidemiológico é muito difícil, agora quando você faz por idade é muito mais justo”, afirmou.
O calendário anunciado por Doria prevê a vacinação por idade. Veja abaixo:
1 a 20 de julho – 55 a 59 anos
2 a 16 de agosto – 50 a 54 anos
17 a 31 de agosto – 45 a 49 anos
1 a 10 de setembro – 40 a 44 anos
11 a 20 de setembro – 35 a 39 anos
21 a 30 de setembro – 30 a 34 anos
1 a 10 de outubro – 25 a 29 anos
11 a 31 de outubro – 18 a 24 anos
VÍDEOS: Tudo sobre Campinas e região
Veja mais notícias da região no G1 Campinas