Covid-19: Doria prevê aprovação da Anvisa em 'início de junho' para começar testes da ButanVac em humanos


Governador de São Paulo fez anúncio nesta quinta-feira (27) durante visita a Campinas. Vacina desenvolvida pelo Instituto Butantan é produzida com insumos próprios e processo é semelhante à vacina da Influenza. Governador de SP, João Doria (PSDB), durante visita a Campinas
Jefferson Barbosa/EPTV
O governador de SãoPaulo, João Doria (PSDB), anunciou nesta quinta-feira (27) que espera ter a autorização da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) no “início de junho” para começar os testes da ButanVac em humanos. A vacina contra Covid-19, produzida pelo Instituto Butantan, está sendo desenvolvida com insumos próprios no Brasil, mas ainda tem pendências junto ao órgão federal.
“”Estamos aguardando a aprovação da Anvisa para início da testagem, o que deve ocorrer até o início de junho. Fiz um apelo e renovo aqui para que a Anvisa, que é uma instituição séria, uma agência independente […] mas que precisa ter senso de urgência diante de um país que está perdendo 2,5 mil vidas por dia e já perdemos 450 mil brasileiros”, afirmou Doria durante visita a Campinas.
ButanVac: veja como é a produção na fábrica do Butantan
Entenda a vacina contra a Covid-19 produzida pelo Butantan
País tem 17 projetos para uma vacina nacional contra a Covid-19
João Doria disse esperar, ainda, que o andamento da pesquisa após a aprovação dos resultados resulte em uma autorização para uso no fim de setembro. E adiantou que o Instituto Butantan já iniciou a produção de 40 milhões de doses da ButanVac.
“Autorizamos a produção de 40 milhões de doses da vacina ButanVac, por confiar e acreditar no Butantan, uma instituição que orgulha os paulistas, os brasileiros em São Paulo e o país, para que essas vacinas, acondicionadas e refrigeradas, estejam prontas quando da autorização da Anvisa. Imediatamente, no mesmo dia, elas serão distribuídas para serem aplicadas. O Brasil precisa de mais vacinas”, explicou.
Os desafios da ButanVac, que vai usar 20 milhões de ovos de galinha para produzir 40 milhões de vacinas
O G1 procurou a Anvisa e aguarda posicionamento sobre quais são as pendências para autorização do início dos testes do imunizante brasileiro. O órgão federal já realizou ao menos três pedidos de informações ao Butantan sobre a nova vacina para combater o coronavírus.
A ButanVac, primeira vacina contra a Covid-19 produzida no Brasil sem que seja necessária a importação de matéria-prima, já foi testada em animais e o pedido de autorização se refere às fases 1 e 2 de testes da vacina.
Apresentação da ButanVac; prazos de entrega são considerados irreais por muitos especialistas, uma vez que ainda não foram feitos testes clínicos com o imunizante
Reuters
Produzida com uso de ovo de galinha
Os insumos básicos da vacina são ovos de galinha, frascos e embalagens, os mesmos usados para fazer a vacina da gripe. Estima-se que cada ovo tenha material suficiente para produzir duas doses de vacina.
Em cada ovo é injetada uma pequena quantidade do vírus da “doença de Newcastle”, um mal aviário que é inofensivo em humanos. Esse vírus foi geneticamente modificado para receber a estrutura do coronavírus e estimular a produção de anticorpos contra a Covid-19 no organismo humano.
A técnica, em tese, permitiria a produção de vacinas ainda mais eficazes contra as novas variantes do coronavírus, uma vez que se pode escolher de qual cepa será retirada a proteína do vírus.
O trabalho com os ovos também permitiria a independência de importação de insumos da Índia e da China, barateando e acelerando a produção de um imunizante.
Entenda a técnica do ‘cultivo em ovo’ da Butanvac
VÍDEOS: Veja o que é destaque na região de Campinas
Veja mais notícias da região no G1 Campinas