Desativadas no início da pandemia, 20 linhas de ônibus de Campinas não voltaram a circular e passageiros criticam


Passageiros do transporte público reclamam das medidas adotadas pela prefeitura ao longo do enfrentamento da Covid-19. Após um ano, ônibus seguem lotados e prefeitura não dá prazo para mudanças. Campinas tem 19 linhas de ônibus desativadas no início da pandemia que não estão operando
Das 31 linhas de ônibus do transporte público de Campinas (SP) desativadas há cerca de um ano, no início da pandemia do coronavírus, 20 não voltaram a circular na metrópole até esta quarta-feira (19). Em meio a aglomerações, espera e lotação dentro dos coletivos, usuários do serviço reclamam e cobram melhorias à prefeitura.
Seguem paralisadas as linhas 101, 104, 106, 110, 113, 127, 132, 150, 152, 216, 217, 220, 225, 307, 308, 326, 330, 378, 389 e 393.
Na rotina das pessoas, a redução tem significado mais tempo de viagem dentro dos ônibus e, às vezes, uma caminhada para o ponto de parada mais próximo no bairro. A administração municipal avalia o número de passageiros e não deu prazo para oferecer mais linhas.
Viagem mais longa
O vigilante noturno Francisco dos Santos pegava a linha 330 antes da pandemia, uma opção que não está mais disponível. A viagem costumava ser de 30 minutos e nesta quarta levou 1 hora e 10 minutos.
“Agora eu estou chegando mais tarde. A noite inteira sem dormir, então já fica mais complicado. A gente agradece se voltar o 330, não só eu, mas os companheiros de serviço também”.
Cuidadora de idosos, Genivalda Sales só usava o ônibus 132 para sair do Terminal Vida Nova em direção à rodoviária. Desde a suspensão da linha, pega dois coletivos no mesmo trecho. Veja mais relatos de passageiros no vídeo acima.
“Todos nós gostaríamos que voltassem todas as linhas, que normalizasse tudo. Não só essa, mas que colocassem mais ônibus, né?”, diz a cuidadora.
A metrópole já registrou 3.211 mortes por coronavírus e um total de 98.306 moradores infectados.
Passageiros esperam ônibus em terminal de Campinas
Reprodução/EPTV
65% do número de ônibus original
Em março de 2020, 31 linhas saíram de circulação, e até agora 11 voltaram. O número usual de ônibus nas ruas também não voltou ao normal desde o início da pandemia, mesmo com a retomada de muitos setores, inclusive escolas. Eram 1.072 coletivos e atualmente são 699, ou 65,2% do total.
Segundo a Empresa Municipal de Desenvolvimento de Campinas (Emdec), no entanto, a circulação de pessoas que dependem do transporte público está menor do que o registrado antes da quarentena. Passou de 528 mil usuários do sistema a 279 mil em abril deste ano, uma diferença de 52,8%.
“Elas [as linhas] voltarão quando a gente atingir uma demanda um pouco mais alta que a princípio justificasse essa volta. Hoje, todas as linhas paralisadas de alguma forma são atendidas por outras. A demanda está subindo. É provável que na próxima semana a gente faça alguns estudos para fazer mais linhas voltarem a operar”, explica o diretor de operações da Emdec, Wilson Brito.
Brito ressalta que a prefeitura não tem agilidade ainda para adequar a oferta de ônibus quando a demanda sobe rapidamente.
“Demoraríamos no mínimo dois dias para conseguir adequar oferta e demanda. Isso explica, em parte, essa questão de em alguns casos a gente ter, sim, uma certa lotação em algumas linhas”.

Veja mais notícias da região no G1 Campinas