Folhas da araucária serviram de alimento para alguns dinossauros


Conheça detalhes dessa árvore, ameaçada de extinção, e que até hoje garante alimento para muitos animais; Espécie tem apelo paisagístico e movimenta a economia. Araucárias pertencem a um grupo de pinheiros considerado um dos mais antigos do Planeta
Pedro Santana/TG
Apesar de ser considerada comum, ou até uma velha conhecida para muitos brasileiros, pouca gente para para perceber a importância dessa espécie. Ela é uma fonte importante de alimento para muitos bichos, principalmente no inverno, um período de escassez na mata. Aves como a gralha-azul, ave símbolo do Paraná, a maitaca, papagaio-de-peito-roxo, e o papagaio-charão se esbaldam com os pinhões, as sementes dessa árvore.
E não são apenas as aves que se beneficiam do alimento da araucária. Muitos mamíferos aproveitam os pinhões que caem no chão. É o caso da cutia e do rato-do-mato. Ao encontrar vestígios no solo é possível identificar qual bicho passou no local para fazer uma boquinha.
O biólogo Luciano Lima conta características curiosas dessa árvore que merece ser respeitada, tanto pelo papel que desempenha, quanto pelo histórico que carrega. Pesquisas apontam que a família das araucárias pertencem a um grupo de pinheiros considerado um dos mais antigos do Planeta e que as folhas dela serviram, inclusive, de alimento para alguns dinossauros herbívoros.
Todos os detalhes dessa majestade da floresta você confere sábado, às 14h, no Terra da Gente, na EPTV.