HC da Unicamp confirma 1º caso de hepatite medicamentosa relacionada ao uso do 'kit Covid'


Paciente é um homem, de aproximadamente 50 anos, atleta e sem doenças preexistentes. Ele permanece internado e será inserido na fila para um transplante, segundo a equipe médica. HC da Unicamp confirma 1º caso de hepatite medicamentosa relacionada ao uso do ‘kit Covid’
Reprodução/EPTV
O Hospital de Clínicas (HC) da Unicamp, em Campinas (SP), confirmou nesta terça-feira (23) o primeiro caso de paciente diagnosticado com hepatite tóxico-medicamentosa relacionada ao uso do “kit Covid” – conjunto de remédios como azitromicina, hidroxicloroquina e ivermectina, que não têm eficácia comprovada contra o coronavírus.
Uso de cloroquina e outros remédios sem eficácia contra Covid-19 deve ser banido, diz associação
‘Kit covid é kit ilusão’: os dados que apontam riscos e falta de eficácia do suposto tratamento
Segundo a professora e médica da unidade de transplante hepático do HC, Ilka Bonin, o paciente é morador de Indaiatuba (SP), tem aproximadamente 50 anos, é atleta e não possui histórico de outras doenças. Ele foi diagnosticado com a Covid-19 há cerca de três meses e, um mês após utilizar ivermectina, hidroxicloroquina, azitromicina, além de zinco e vitamina D, sob prescrição médica, começou a apresentar pele e olhos amarelados.
“Ele chegou com uma síndrome de doença hepática pós-Covid, mas quando analisamos, vimos que não se enquadrava muito bem na síndrome. Tinha alterações específicas e analisamos a biópsia. Era, na verdade, uma hepatite medicamentosa que causou a destruição dos dutos biliares, e o paciente tinha usado somente, nos últimos quatro meses, remédios do ‘kit Covid'”, relata.
De acordo com Bonin, o paciente segue internado e deve ser inserido na lista para transplante de fígado na sexta-feira (26) após a realização de novos exames. “As lesões foram bem importantes. No começo a gente ia até indicar o transplante de urgência, mas ele foi melhorando conforme foi sendo tratado e avaliado”, afirma a médica.
“Até semana passada, a gente só tinha esse caso. Da semana passada para cá, nós já soubemos de mais quatro [em outras cidades]. Talvez comecem a aparecer [mais casos]”, pontua Ilka Bonin.
Contraindicações
O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) chegou a defender o uso da cloroquina para o tratamento da Covid-19. O remédio integra o chamado “kit Covid”, ou “tratamento precoce”, que já se mostrou inclusive ineficaz ou até mais prejudicial do que benéfico quando administrado nos quadros leves, moderados e graves de Covid-19.
Chefes de UTIs ligam ‘kit Covid’ a maior risco de morte no Brasil
Atualmente, esse mix farmacológico não é reconhecido e é contraindicado por entidades como a Organização Mundial da Saúde (OMS), o Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos e da Europa, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e a Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI).
Para a médica, além de não serem cientificamente comprovados, os medicamentos têm sido utilizados de forma incorreta pela população. “[O médico] prescreve uma medicação pra um uso curto, só que a pessoa fala: ‘não peguei nesse uso curto, vou repetir’. Acabam usando numa dose que se torna tóxica pelo tempo de aderência à medicação”, explica.
VÍDEOS: autoridades e médicos comentam pior momento da pandemia
Profissionais de Saúde na linha de frente e autoridades avaliam pior momento da pandemia
Initial plugin text
Veja mais notícias da região do G1 Campinas.