Idosa que passou por cirurgia no HC da Unicamp morre de Covid-19: 'Não consegui me despedir', diz filho


Maria do Carmo Oliveira Martins, de 65 anos, foi internada no hospital por complicações causadas pela diabetes. Família afirma que idosa dividiu o quarto com mulher que testou positivo para Covid-19. Maria do Carmo Oliveira Martins morreu no dia 24 de fevereiro devido a complicações da Covid-19
Roberto Oliveira Martins/Arquivo Pessoal
Carinhosa, atenciosa e muito cuidadora, uma mãe excelente. São com essas palavras que Maria do Carmo Oliveira Martins, de 65 anos, é descrita pelo filho único. A idosa era moradora de Socorro (SP) e estava internada no Hospital de Clínicas (HC) da Unicamp, em Campinas (SP), onde morreu em decorrência de complicações da Covid-19 no dia 24 de fevereiro.
Segundo o filho, o operador de máquinas Roberto Oliveira Martins, de 42 anos, a contaminação pelo novo coronavírus ocorreu dentro do hospital. A mãe dele foi internada no dia 8 de fevereiro para passar por uma cirurgia e tratar uma ferida no pé causada pela diabetes.
Durante o período de internação, Maria dividiu o quarto de hospital com outra paciente que, após apresentar alguns sintomas, passou por exame e testou positivo para Covid-19. A família acredita que esse teria sido o motivo da contaminação.
“Quando minha mãe saiu da cirurgia, já foi transferida para outro quarto e teve que fazer o teste, o primeiro teste deu negativo, mas o segundo deu positivo”, relembra Roberto.
“É um baque porque minha mãe foi lá para tratar de uma situação do pé e infelizmente pegou essa doença e não resistiu […] Não consegui me despedir, eu era muito apegado à minha mãe e eu vi minha mãe só uma semana. Após ela operar eu vi ela apenas de longe”, conta o filho.
Em nota, o HC da Unicamp informou que a paciente deu entrada para realizar a cirurgia, foi internada em um leito da enfermaria de endocrinologia, que é uma área não Covid-19, no quinto andar do hospital.
A administração declarou que havia uma paciente assintomática no mesmo quarto que Maria do Carmo, que mais tarde testou positivo para a Covid-19.
O hospital informou ainda que, após a transferência de Maria do Carmo para a enfermaria de cuidados exclusivos para a doença houve uma piora clínica devido as multimorbidades e infecção Covid. “Familiares optaram por protocolo de cuidados paliativos sem medidas invasivas como entubação ou diálise”, completou o HC.
Cirurgia sem complicações
Maria do Carmo Oliveira Martins (no centro da foto) com o marido José Martins, ao lado esquerdo, o filho Roberto Oliveira Martins e a nora Eliane Cristina Ribeiro Martins
Roberto Oliveira Martins/Arquivo Pessoal
De acordo com o filho, a equipe médica afirmou que não houve complicações durante o procedimento cirúrgico, que resultou na amputação da perna esquerda. “A médica falou que se fosse apenas pela cirurgia, eles estavam até pensando em dar alta para minha mãe”.
A idosa fazia parte do grupo de risco para Covid-19 por conta da diabetes e pressão alta. O filho conta que há tempos a mãe lida com problemas de saúde, inclusive chegou a sofrer quatro abortos espontâneos em decorrência da diabetes. “A diabetes e pressão alta sempre acompanharam a minha mãe durante a vida”, conta.
A nora da vítima, Eliane Cristina Ribeiro Martins, de 35 anos, que acompanhou a sogra durante a sua recuperação, também foi infectada pela doença e precisou ficar em quarentena junto com o marido.
“Dois dias após minha mãe receber o diagnóstico, minha esposa foi para a casa e começou a ter febre, falta de paladar e olfato”, explica.
‘Fica a saudade’
Maria casou-se aos 19 anos com José Martins e os dois se mudaram de Pernambuco para Socorro em 2000. Viveram 46 anos juntos. Ela foi enterrada no Cemitério Parque das Colinas, em Socorro.
“Agora fica a saudade e aquele vazio, minha mãe é especial demais para mim. Eu amava e amo muito a minha mãe”, conta Roberto.
*Sob supervisão de Arthur Menicucci
VÍDEOS: Tudo sobre Campinas e região
Initial plugin text
Veja mais notícias da região no G1 Campinas