Ilustrador carioca faz cartuns divulgando a importância de proteger o meio ambiente


Materiais já foram premiados e têm sido produzidos para entreter e ensinar crianças. Aquecimento global está entre os temas dos cartuns que usam dos conceitos de edutainment (educação + entretenimento)
Léo Valença/Acervo Pessoal
Léo Valença, quando criança, sonhava em um dia ser o Maurício de Souza e, por isso, criava personagens baseados em colegas de sala de aula e vendia as próprias revistinhas para eles. A paixão se tornou um exercício de prática, de cursos e, enfim, de profissão. Desde 2002, o ilustrador começou a produzir cartuns bem humorados sob encomenda até que decidiu mudar os rumos na linha de trabalho.
“Preocupado com a importância da preservação do nosso planeta e interessado em contribuir no processo de conscientização da população, tive a ideia de organizar a obra ‘Aquecimento Global em cartuns’. A publicação reúne trabalhos de diversos cartunistas sobre o tema. Posteriormente, após a Rio +20, surgiu a ideia de criar o ‘Almanaque Ecológico do Lucas’’ que trouxesse a importância da sensibilização e da reeducação, começando por nossas crianças”, conta.
Atualmente, Léo Valença divulga o segundo livro do personagem Lucas nas mídias sociais
Léo Valença/Acervo Pessoal
Usando os jovens como público alvo, Léo idealizou um duende de cabelos verdes que, de forma irreverente, perspicaz e ética, busca sensibilizar as crianças sobre as questões do meio ambiente. “Pensei em criar um almanaque do personagem que pudesse ensinar e ao mesmo tempo divertir com textos fáceis, passatempos e desenhos”, afirma.
O material, que pode ser adquirido na íntegra através da compra do livro ou mesmo acessado de forma mais limitada gratuitamente, usa do humor gráfico para chamar a atenção para o que o cartunista chama de uma “verdade bastante inconveniente que está cada vez mais presente em nossas vidas”. O combate à destruição da natureza também é compartilhado através das redes sociais e de um site, onde o personagem Lucas apresenta trechos de seus debates e reflexões.
O autor dos cartuns se baseia em questões que ocorrem ao seu redor, como a temática ambiental e o aquecimento global, para a produção das obras
Léo Valença/Acervo Pessoal
A obra de Léo Valença já foi considerada, em 2012, o melhor cartum pelo júri popular da mostra virtual de cartuns do Green Nation Festival e, em 2016, o melhor cartum pelos júris oficial e popular do mesmo evento.
“Todo mundo tem que entender a importância da reciclagem, coleta seletiva, usinas de tratamento de lixo orgânico, de não jogar lixo na rua, não desperdiçar água, não desmatar, não construir em áreas de mananciais. E precisam também ser mais politizados e combativos para lutarem contra governos que não querem cumprir tratados e protocolos internacionais pela defesa do meio ambiente”, exemplifica o autor.
Com o duende ecológico, almanaque apresenta textos com uma linguagem simples e didática, ilustrações e passatempos
Léo Valença/Acervo Pessoal
Já tentando dar essa base às novas gerações, os materiais criados por ele utilizam de recursos lúdicos para focar em atividades que podem ser aplicadas dentro e fora da sala de aula. “Eles podem ser utilizados para passar o conceito de sustentabilidade na educação, estimulando a percepção ambiental e a discussão de temas diversos das questões atuais, como o respeito à natureza, o aquecimento global, o destino do planeta, a poluição e a reciclagem”, afirma.
Lucas busca sensibilizar as crianças e jovens para que adotem atitudes corretas em relação às questões do meio ambiente
Léo Valença/Acervo Pessoal
Livro feito por cartunista só é impresso após encomenda, para evitar desperdício de papel
Léo Valença/Acervo Pessoal