Muito além da 'la cucaracha': você já viu uma barata verde?


Espécie é uma das mais de 600 baratas silvestres que ocorrem no Brasil e tem curiosidades impressionantes; parte das baratas domésticas foram introduzidas e também têm um papel importante na natureza e nas cidades. Barata-verde é uma das mais de 600 espécies de baratas encontradas no Brasil
Matheus D’oran/Arquivo Pessoal
Para muitas pessoas encontrar uma barata dentro de casa não é algo muito agradável. Por vezes o desconforto chega a ser diagnosticado como fobia, classificada nesses casos como catsaridafobia. No entanto, esses pequenos insetos têm um papel importante na natureza e na ciência.
“O principal papel das baratas é decompor matéria orgânica: tanto o que é produzido nas florestas, quanto o lixo produzido em massa nas cidades. Se elas não existissem, nós iríamos viver com um acúmulo gigantesco de lixo, solo e ar comprometidos”, explica o estudante de Biologia da UNESP, Matheus D’Oran, que se dedica ao estudo das baratas e de outros insetos.
De acordo com ele, além de permitir a vida no ambiente natural e urbano, as espécies de baratas são cruciais para a cadeia alimentar e têm um papel importante no ‘cardápio’ de diversos animais. “Presa de répteis, anfíbios, aves, aracnídeos e até outros insetos como louva-deus, percevejos e escorpiões, as baratas são ótimas fontes de alimento, pois possuem bastante proteína”, diz.
Pesquisadores indicam Lucihormetica fenestrata como espécie de barata bioluminescente
Reprodução/Internet
“Também não podemos nos esquecer do papel polinizador de algumas espécies silvestres, pois além de matéria orgânica, podem se alimentar do néctar de flores e – nesse processo, levar o pólen de uma planta para outra”, completa o pesquisador.
Baratas já foram objetos de estudo sobre mudanças climáticas e foram protagonistas de pesquisas sobre como obter etanol a partir das enzimas produzidas pelos insetos
Estudante de biologia dedicado ao estudo das baratas revela detalhes dos insetos
Baratas do Brasil
A bibliografia indica a existência de mais de 640 espécies de baratas no Brasil, sendo somente 10 urbanas e o resto silvestres. No entanto, pesquisadores acreditam que esse número pode ser muito maior. “Esses dados são de um catálogo publicado entre 2007 e 2008. Como todos os anos novas espécies são descritas, provavelmente tem muitas outras baratas compondo a nossa fauna”, diz Matheus.
Algumas espécies imitam joaninhas e conseguem enganar predadores
Arte/Matheus D’Oran
Na lista destacam-se insetos de hábitos e aparência curiosa, como a Bionoblatta itatiayae, barata que mimetiza anfíbios (se assemelha a outros animais) e consegue enganar outros predadores. “A habilidade de mimetizar outros animais também é comum entre as baratas-verdes, que se confundem com outros insetos e as do gênero Prosoplecta, que se parecem muito com joaninhas”, destaca o pesquisador, que lembra ainda de duas espécies comuns em outros países conhecidas por imitar vagalumes e vespas. “Essa última adaptação é bem interessante, pois os predadores evitam se aproximar das vespas”, conta.
As baratas costumam viver em lugares quentes e úmidos, inclusive em áreas urbanas e residências. De hábitos noturnos, aproveitam o silêncio e a escuridão para se alimentar e acasalar
Pesquisador desvenda mitos sobre as baratas
Baratas urbanas
Com tamanhos que variam entre milímetros até quase 10 centímetros as baratas ocorrem em todo o mundo. No passado, algumas delas “fizeram longas viagens” e chegaram ao Brasil vindas de outros continentes, como Ásia e África. “Ao falarmos das baratas domésticas é importante termos em mente que a grande maioria delas não são brasileiras e que vieram pra cá por meio da ação humana, difundindo-se com sucesso graças à fácil adaptação e hábitos alimentares variados”, explica Ricardo Brugnera, pesquisador da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. “No Brasil, podemos citar principalmente as do gênero Periplaneta e Blatta, além das espécies Blattella germanica e Supella longipalpa, todas com origem em outras partes do planeta”, diz.
Tamanho recorde registrado é de uma Megaloblatta longipennis, com 9,7 centímetros; porém, bibliografias indicam que as Blaberus giganteus podem atingir 10 centímetros. Baratas-de-madagascar também se destacam pelo tamanho
Initial plugin text
De acordo com o entomólogo, os ambientes urbanos se tornaram ideais para o desenvolvimento dessas espécies, que encontram diariamente nas cidades toneladas de comida e lixo, além de locais escuros e úmidos para se abrigar e se reproduzir. “Justamente pelas condições insalubres que vivem, as baratas urbanas podem carregar vírus ou bactérias no corpo, capazes de causar doenças e alergias, no entanto, vale lembrar que menos de 1% das baratas conhecidas estão associadas a doenças, o que não é nada representativo, como lembra a própria Organização Mundial da Saúde”, reforça.
O Brasil é casa para mais de 600 espécies de baratas, insetos cheios de detalhes e hábitos curiosos
Arte TG
Afinal, barata em casa é sinônimo de sujeira? O biólogo e pesquisador da Universidade Federal do Rio Grande, Guilherme Martins Limberger, explica que ambientes sujos, com acúmulo de alimento e entulhos, assim como locais escuros, podem atrair os insetos, no entanto, há ainda outras razões que não estão relacionadas diretamente às condições de higiene do local. “Quando há superpopulações nos esgotos, ou superaquecimento, por exemplo, a saída delas é estimulada buscando melhores condições ou mais espaço. Isso faz com que as baratas cheguem até o ralo da cozinha, ou do banheiro, mesmo que ele esteja limpo”, explica.
No entanto, fica o alerta: uma migalha de pão pode ser um banquete para uma barata. “E quanto mais acumular, maiores as chances de receber uma visita não desejada destes insetos, principalmente na cozinha”, completa.