Temperos além de sal, cebola e alho


Em pratos do dia a da e também nos acompanhamentos que serão propostos pelo público no concurso Tá Combinado, sabores especiais são bem-vindos. Ervas e especiarias têm o poder de dar um toque especial aos preparos culinários e podem aparecer nas receitas inscritas no concurso Tá Combinado
Crédito: iStock
Quem cozinha sabe bem que o tempero é fundamental para que a comida, mesmo a do dia a dia, fique gostosa. Para garantir mais sabor aos pratos, é possível ir além da tradicional combinação de sal, cebola e alho.
Por isso, ervas e especiarias não podem faltar na sua despensa, afinal, elas conferem um gostinho especial a cada prato preparado. Como explica Laura Furco Lorenzato, nutricionista do Savegnago unidade Iguatemi, de Ribeirão Preto, tanto receitas salgadas, como doces, podem receber esses complementos. Pensando nas especiarias, ela cita a canela como perfeita para uma série de receitas doces, como o arroz doce e o bolo de maçã. “Já o louro dá um toque especial no feijão e as pimentas, como a calabresa e a dedo de moça, agregam sabor às carnes”, exemplifica.
Em relação às ervas, é só lembrar que elas caem bem em muitas receitas. O manjericão na pizza, o alecrim no peixe e o tomilho no frango são alguns exemplos. “É possível trabalhar com elas frescas ou então nas versões desidratadas, que podem ficar acondicionadas em potes bem fechados”, afirma Laura.
Nutricionista Laura Furco Lorenzato, do Savegnago Iguatemi, de Ribeirão Preto, com manjericão nas mãos: as ervas dão um gosto especial aos preparos culinários
Crédito: Divulgação Savegnago
A nutricionista Aline Castaldi Sampaio, coordenadora do curso de Nutrição da Universidade São Francisco (USF), de Campinas, reforça que usar ervas e especiarias como temperos é também uma forma de cuidar da saúde.
“Para uma alimentação saudável, a Organização Mundial da Saúde (OMS) recomenda para adultos sadios o consumo diário máximo de 2g de sódio, o que equivale a 5g de sal ou uma colher de chá”, diz.
Na prática, significa que além de dar um gostinho especial à comida, esses itens substituem bem os temperos industrializados, que têm quantidade excessiva de sódio, elevando a pressão arterial e contribuindo para doenças cardiovasculares.
Aline Castaldi Sampaio, coordenadora do curso de Nutrição da Universidade São Francisco (USF), de Campinas: buscar alternativas para reduzir o consumo de sódio faz bem à saúde
Crédito: Arquivo pessoal
Nos pratos que os inscritos no concurso Tá Combinado fizerem, principalmente aqueles que forem para a fase final, certamente precisarão ter um tempero capaz de cativar os jurados.
Para participar conheça aqui o regulamento.
Para se inscrever acesse aqui. (link ativo apenas em 10.04 às 14h40)
Veja a lista das ervas e especiarias que podem ser usadas como tempero e em quais tipos de pratos elas caem bem:
Ervas
Azedinha – de folhas longas e largas, é usada em peixes e em marinadas de carne serve como amaciante.
Alecrim – é um dos temperos naturais mais utilizados na culinária, funciona muito bem com carnes e batata assada.
Cebolinha – da mesma família do alho, da cebola e do alho-poró, ela é a base do cheiro verde. O ideal é usá-la para finalizar pratos, pois o calor a faz perder sabor.
Coentro – suas folhas frescas são usadas em diferentes culinárias. É um dos componentes do curry. É muito usado em moquecas e bobós.
Dill – suas folhas devem ser usadas frescas em pratos quentes. Vai bem em cremes, omeletes e preparações com iogurte. As sementes são usadas em sopas e picles.
Estragão – é uma das ervas mais sofisticadas, que valoriza os ingredientes usados nos pratos. Vai bem em saladas, aves, peixes, omeletes e carnes.
Hortelã – com diversas variedades, é uma erva muito popular com fragrância adocicada. Deve ser usada fresca para incrementar saladas, molhos à base de iogurte, carnes e legumes cozidos. Também é frequente em chás e sucos.
Louro – suas folhas aromáticas liberam sabor lentamente. É aquela erva que não pode faltar no feijão. O uso é indicado também em carnes assadas, ensopados, caldos e sopas.
Manjericão – é o tempero favorito dos italianos, que não pode faltar em pestos, massas secas, sopas, salada caprese, pizza marguerita e massas com molho de tomate fresco. Use sempre fresco.
Manjerona – a erva aromática tem o sabor bem parecido com o do orégano, podendo até substituí-lo em preparações com peixes, pizza e no molho pesto.
Orégano – encontrado geralmente em folhas picotadas, é o tempero das pizzas. Também usado em carnes e legumes.
Salsa – com um aroma levemente picante, a erva serve para temperar praticamente qualquer tipo de comida. O tipo crespo é mais usado para decorar pratos.
Sálvia – aromática, com folhas aveludadas, é usada em temperos de aves e carnes. Experimente fazer manteiga de sálvia para preparar massas.
Tomilho – da família da hortelã, a erva tem muitas variedades e uma delas também é conhecida como poejo. É usado em terrines, pratos com carnes e aves, ensopados e grelhados.
Especiarias
Açafrão – é um dos temperos em pó mais conhecidos. É utilizado na galinhada, na paella e como tempero para frangos e peixes.
Anis-estrelado – de sabor pungente e adocicado, é muito usado para doces, biscoitos e licores. Também costumam decorar pratos.
Baunilha – muito usada como aromatizante. A fava de baunilha verdadeira vem de uma orquídea, colhida verde e curada em ambiente especial, ficando com a cor marrom-escura característica. Vai bem em doces e cremes à base de leite, sorvetes e preparos com frutas suaves.
Canela – é a casca de uma árvore da família do louro. Usada em doces e para temperar carnes em pratos gregos, como a moussaka. Quando misturada à pimenta-da-Jamaica e à pimenta-do-reino, vira pimenta síria.
Cardamomo – é uma semente com sabor levemente ardido e tem diferentes versões. O negro é usado em preparações com curry e o verde em pratos do Oriente Médio e Índia. Também serve para aromatizar sobremesas e marinar carnes.
Cominho – semente de aroma intenso, com percepção entre o adocicado e o picante, a especiaria é bastante usada para carnes. Pode dar um toque especial em sopas e em preparos com legumes.
Cravo-da-Índia – é um pequeno botão seco em forma de flor, bastante aromático e, por isso, bastante usado em doces, inclusive para enfeitá-los. Muito comum em chás.
Cúrcuma – da mesma família do gengibre, tem sabor picante. É muito usada em peixes, frutos do mar, frango ensopado e picles.
Curry – é uma mistura de coentro, cominho, feno-grego, alho, gengibre, canela, cravo, cúrcuma, cardamomo, pimenta-do-reino e pimenta vermelha. De sabor marcante, cai bem em preparos com frango, peixes e também em molhos.
Erva-doce – bastante perfumada, a erva é um ótimo tempero caseiro para dar sabor mais docinho aos seus pratos. É boa opção para usar em carnes de porco, saladas e para chá.
Gengibre – de sabor marcante e um tanto picante, é uma raiz muito versátil na cozinha. Usado em bolos, biscoitos, sucos e chás.
Mostarda –são sementes nas versões preta, branca e marrom que quando moídas têm um aroma pungente. Utilizada principalmente no preparo de molhos para acompanhar saladas.
Noz-moscada – é uma semente grande e aromática e deve ser usada ralada. Ideal para preparações com queijo, batatas, creme de leite, suflês, brownie e outros tipos de bolo.
Páprica – tem duas versões (a doce e a picante) feitas com pimentas vermelhas. Conferem sabor especial à batata doce, anéis de cebola, costela de porco, cuscuz paulista e rabada.
Pimenta calabresa – de aroma e sabor picante, é usada para temperar carnes, peixes e frutos do mar. É ingrediente indispensável da linguiça calabresa.
Pimenta síria – é uma mistura de pimenta-da-Jamaica, canela e pimenta-do-reino, usada largamente na culinária árabe para condimentar quibes e esfihas.
Pimenta-do-reino – uma das especiarias mais antigas do mundo e também uma das pimentas mais versáteis, pode ser usada em uma infinidade de preparações, como carnes, legumes e molhos.
Urucum – é uma semente vermelho-alaranjada usada para dar cor aos alimentos, como aves e risotos.
Fontes: Professora Aline Castaldi, da USF, e livro Ervas e Especiarias, de Jill Norman.