Vacina da Pfizer: Indaiatuba, Americana e Hortolândia afirmam ter freezers compatíveis; distribuição em SP é incerta


Prefeituras confirmaram nesta quinta-feira (20) que possuem estruturas de conservação em temperatura baixa o suficiente para o imunizante americano contra a Covid-19. Que vacina é essa? Pfizer Biontech
Indaiatuba (SP), Americana (SP) e Hortolândia (SP) confirmaram nesta quinta-feira (20) que possuem freezers compatíveis com a necessidade de conservação da vacina da Pfizer e BioNTech contra a Covid-19. Na região, Campinas (SP) também já havia divulgado estrutura para o armazenamento, mas não há previsão do Ministério da Saúde para distribuir doses em cidades do interior.
A vacinação com o imunizante americano vêm ocorrendo em 27 capitais no Brasil, segundo o governo federal. Mesmo assim, Campinas enviou pedido ao governo do estado solicitando doses, ainda sem data para ocorrer.
Nesta quarta (19) o Aeroporto Internacional de Viracopos recebeu a quarta remessa da vacina da Pfizer, vinda dos EUA. Foram mais 629 mil doses, totalizando 2,2 milhões entregues ao Ministério da Saúde.
Indaiatuba e Americana disseram que já possuíam estruturas adequadas na cidade. O G1 procurou as prefeituras para mais detalhes sobre os equipamentos e a capacidade deles, mas ainda não teve retorno.
Somente capitais estão autorizadas a vacinar com Pfizer, informou o Ministério da Saúde
Cristine Rochol/PMPA/Divulgação
Câmaras frias devem cumprir protocolos
Em nota, o Ministério da Saúde disse que concentra a vacinação nas capitais “de forma a evitar prejuízos” e “garantir o esquema vacinal de 12 semanas entre uma dose e outra”. Informou também que as câmaras refrigeradas devem ser cadastradas na Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).
Os equipamentos devem ter um sistema de segurança que alerte em casos de problemas, como falta de energia elétrica, por exemplo.
A análise da distribuição de doses no país é semanal para definir estratégias, disse o Ministério.
“A recomendação do Ministério da Saúde é para que estados e municípios sigam o que foi acordado, no entanto, os gestores locais do SUS têm autonomia para seguir com a estratégia local de vacinação, conforme as demandas regionais”, disse no texto.
Prefeitura de Campinas (SP) recebeu 18 freezers enviados pelo estado que atendem às condições para armazenar o imunizante da Pfizer
Luiz Granzotto/Prefeitura de Campinas
Vacina precisa de condições especiais
As doses da Pfizer precisam ser armazenadas em caixas com temperaturas entre -25°C e -15°C por, no máximo, 14 dias. Ainda em 2020, a empresa informou ter desenvolvido uma embalagem especial com temperatura controlada que usa gelo seco para manter a condição de armazenamento recomendada.
Ao chegarem às salas de vacinação, as doses serão mantidas a uma temperatura que varia entre 2°C e 8°C, e precisam ser aplicadas na população em um período de até cinco dias.
VÍDEOS: Veja o que é destaque na região de Campinas
Veja mais notícias da região no G1 Campinas