Vacinação de gestantes contra Covid-19 com AstraZeneca é suspensa em cidades da região de Campinas


Medida foi tomada nesta terça-feira (11) após recomendação da Anvisa, divulgada na noite desta segunda (10). Valinhos e Americana já decidiram interromper a imunização imediatamente para esse grupo. Vacina contra Covid-19 da AstraZeneca tem uso não recomendado para grávidas
Ingrid Vasconcelos/ Divulgação
Prefeituras da região de Campinas (SP) divulgaram nesta terça-feira (11) a suspensão da vacinação de gestantes contra Covid-19 com o uso do imunizante da AstraZeneca. A medida foi tomada após nota da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), que recomenda que esta vacina não seja usada em grávidas.
A suspensão do imunizante produzido pela Fiocruz é imediata, e só para gestantes, informou o órgão federal.
Na região de Campinas, Americana e Valinhos informaram que adotaram a suspensão e estão atendendo à recomendação da Anvisa. Campinas disse que “não será aberto o agendamento para gestantes e puérperas com comorbidades” neste momento.
Cidades do interior de SP suspendem vacina AstraZeneca contra Covid-19 para grávidas
O Governo do Estado de São Paulo divulgou nesta manhã uma nota com a interrupção para grávidas com comorbidades. A medida é preventiva e será adotada até que uma nova orientação do Ministério da Saúde seja divulgada.
Vacinação de puérperas
No caso de Americana, a Secretaria de Saúde municipal também suspendeu a imunização para mulheres que tiveram bebês em até 45 dias (puérperas). A vacinação desse grupo estava prevista para começar nesta terça na cidade.
“A decisão foi tomada com base em orientação do GVE, pois ainda não há nenhum tipo de notificação oficial. Foi solicitada a suspensão até que se receba a nota técnica do PNI (Plano Nacional de Imunização)”, disse Americana em nota.
No entanto, a interrupção do uso da AstraZeneca para puérperas não é uma orientação do governo de SP e também não consta na recomendação da Anvisa.
Bula da Astrazeneca deve ser seguida
A Anvisa informou que a indicação da bula da vacina Astrazeneca/Fiocruz deve ser seguida pelo Programa Nacional de Imunização (PNI). “A orientação é resultado do monitoramento de eventos adversos feito de forma constante sobre as vacinas Covid em uso no país”, disse o órgão.
A Anvisa, no entanto, não relatou nenhum evento adverso ocorrido em grávidas no Brasil.
Que vacina é essa? Oxford Astrazeneca
“O uso “off label” de vacinas, ou seja, em situações não previstas na bula, só deve ser feito mediante avaliação individual por um profissional de saúde que considere os riscos e benefícios da vacina para a paciente. A bula atual da vacina contra Covid da AstraZeneca não recomenda o uso da vacina sem orientação médica”, completa a nota.
O Ministério da Saúde incluiu todas as grávidas e puérperas (mulheres no período pós-parto) no plano de imunização em março. Na época, a coordenadora do Programa Nacional de Imunizações, Franciele Francinato, explicou que a decisão foi tomada visto que esse grupo tem risco maior de hospitalização por Covid-19.
VÍDEOS: Veja o que é destaque na região de Campinas
Veja mais notícias da região no G1 Campinas