EconomiaGoverno diz que despacho de bagagem gratuito é ‘remédio...

Governo diz que despacho de bagagem gratuito é ‘remédio errado’ para alta das passagens

-

A chamada “MP do Voo Simples“, que muda algumas regras do transporte aéreo, tem como objetivo desburocratizar o setor atraindo investimento e facilitando a abertura de aeroportos. No entanto, o texto aprovado por deputados e em discussão no Senado Federal esbarra no fim da cobrança por despacho de bagagens. O tema é considerado sensível e preocupa empresários e o governo federal. O secretário de Avião Civil do Ministério da Infraestrutura, Ronei Saggioro Glanzmann, disse que o retorno da bagagem gratuita pode inviabilizar a entrada de novas companhias no país, diminuindo a concorrência. “A gente sabe reclamação da sociedade brasileira, também é a reclamação do governo. As tarifas estão muito caras de fato, quando vamos acessar os sites para comprar os preços beiram o absurdo, mas entendemos que aqui temos o nítido caso de remédio errado. O remédio para esse problema passa longe da questão da franquia de bagagem, não é a franquia de bagagem que vai resolver esse tipo de coisa. O Brasil tem questões estruturais que precisam ser atacadas, que precisam ser discutidas. Refiro-me, principalmente, ao caso do combustível de aviação”, mencionou.

Na ocasião, o presidente da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), Juliano Alcântara Norman, alertou que algumas empresas de baixo custo estão revendo planos de operar no Brasil. O maior temor é que o aumento de custos interrompa a recuperação do setor. O presidente da associação Brasileira de Empresas Aéreas, Eduardo Sanovicz, afirmou que no Brasil se criou o falso mito da bagagem gratuita. “Chegamos a 100 milhões de passageiros, entendemos que é possível retomar um processo de crescimento para chegarmos, em alguns anos, em 200 milhões e preços mais competitivos. Mas isso só será possível enfrentando o problema dos custos de querosene, do modelo tributário e segurança jurídica”, disse. Já o advogado especialista em defesa do consumidor, Walter Faiad, entende que quem viaja não acredita mais nas promessas de passagens mais baratas. “Quem explica o que o computador faz comigo, ou celular, na hora que tento o trecho e daqui a pouco sobe R$ 210. Isso não acontece em nenhum modelo de prestação de serviços”, afirmou. Se não for votada no Senado Federal até 1º de julho, a Medida Provisória perde a validade.

Noticias Recentes

Solange Moraes, candidata a deputada federal, tem o sonho de representar a voz da população

“Qual é o seu sonho?” É assim que a candidata a deputada federal se apresenta aos eleitores após oficializar...

Como a engenharia ecológica antiga pode ajudar a consertar paisagens degradadas

A gestão da terra é uma das principais questões que o planeta enfrenta no século 21. Como resultado das...

Brasil tem 449 casos confirmados de varíola dos macacos, diz Saúde

O Brasil tem 449 casos confirmados da varíola dos macacos, de acordo com dados do Ministério da Saúde. Entre os...

Congresso vai discutir rol de planos de saúde na volta do recesso, em agosto

O recesso parlamentar que começou nesta semana vai até o dia 31 de julho, mas os parlamentares devem começar...

Lei pouco conhecida dos anos 90 obriga empresas a pagar alguns brasileiros; veja como você pode fazer parte do grupo

Dinheiro caindo na sua conta sem precisar trabalhar. Pode parecer mentira ou algum esquema, mas essa é uma possibilidade...

Dois restaurantes brasileiros estão entre os 50 melhores do mundo

A premiação 50 Best 2022, que elenca os melhores restaurantes do mundo, divulgou os vencedores nesta segunda-feira, 18, em...

Leitura obrigatória

Aprendendo sobre controle financeiro para 2022

Um dos principais ensinamentos para os empreendedores nos últimos...

você também pode gostar Relacionados
Recomendado para você