Economia brasileira cresceu 1,1% no 2º trimestre, aponta FGV

Gabriel Bofinit Araújo
Gabriel Bofinit Araújo
4 Min Read

O Monitor do PIB, do Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (FGV Ibre), aponta crescimento de 1,1% na atividade econômica no segundo trimestre em comparação ao primeiro e 0,1% em junho comparado a maio, considerando-se dados com ajuste sazonal.

Na comparação interanual, a economia cresceu 3,0% no segundo trimestre e 2,7% em junho, segundo o levantamento, que antecipa dados sobre o desempenho da economia brasileira. O dado é superior à previsão do Banco Central, que estimou uma expansão de 0,57% na economia brasileira de abril a junho na comparação com os três meses anteriores.

“O crescimento de 1,1% do PIB no 2º trimestre é reflexo do desempenho positivo das três grandes atividades econômicas, embora seja esperada uma redução do ritmo da atividade econômica no segundo semestre devido aos juros que estão em patamares elevados, e a despeito da expectativa de redução do ritmo inflacionário”, diz Juliana Trece, coordenadora da pesquisa.
Pela ótica da demanda, a alta foi puxada pelo consumo das famílias e pelos investimentos (formação bruta de capital fixo).

A coordenadora da pesquisa aponta que houve efeitos positivos dos estímulos econômicos, como a liberação dos saques de até R$ 1 mil do FGTS e a redução dos preços de alguns produtos considerados essenciais.

Indicador do BC eleva otimismo para 3º trimestre
O consumo das famílias cresceu 1,8% no segundo trimestre, comparado ao primeiro e 0,3% em junho frente a maio. Na comparação interanual cresceu 4,3% no segundo trimestre.

Nesta comparação, todos os componentes do consumo cresceram, a exceção do consumo de bens duráveis, o que seria esperado tendo em vista o nível elevado dos juros. Entre os que cresceram, o maior destaque continua sendo o consumo de serviços.

A formação bruta de capital fixo (FBCF) apresentou crescimento de 4,0% no segundo trimestre, em comparação ao primeiro e de 1,3% em junho, frente a maio. Na comparação interanual cresceu 0,3% no segundo trimestre.

O componente de máquinas e equipamentos foi o único a apresentar queda nesta comparação (-3,7%), porém a uma taxa menor do que as quedas observadas nos meses anteriores.

A exportação de bens e serviços apresentou retração de 2,4% no segundo trimestre, em comparação ao primeiro e crescimento de 7,8% em junho, frente a maio. Na análise interanual, a exportação retraiu 4,6% no segundo trimestre.

Pelo segundo mês consecutivo, as quedas na exportação de produtos agropecuários e da extrativa mineral tiveram papel importante no desempenho negativo da exportação.

A importação de bens e serviços cresceu 7,2% no segundo trimestre, em comparação ao primeiro e retraiu 1,2% em junho frente a maio. Na análise interanual retraiu 1,6% no segundo trimestre. Desde o trimestre encerrado em janeiro, a queda na importação de bens intermediários foi a principal responsável por esse resultado negativo da importação.

Em termos monetários, estima-se que o acumulado do PIB no primeiro semestre de 2022, em valores correntes, foi de R$ 4.596.527 milhões, ou R$ 4,6 trilhões.

Share This Article
Leave a comment